EP24 FIM DA DITADURA CIVIL-MILITAR

Vocês pediram e aqui estamos de volta para fechar a trilogia sobre ditadura civil-militar! Venham conosco conhecer e refletir mais sobre as características e como teve fim um dos períodos mais tenebrosos da nossa história política.

No Episódio:

Conheça como se constituiu e funcionava o aparelho de repressão e tortura do Estado contra os opositores ao regime, entenda como foi a reação armada dos guerrilheiros, descubra o que aconteceu com os índios naquele período. Reflita sobre a censura, as canções de protesto e os movimentos culturais, artísticos e intelectuais contra o autoritarismo. Entenda como se deu e qual foi o papel que o desenvolvimento econômico teve para a manutenção e queda do regime ditatorial e, por fim, saiba como se desenrolou o processo de abertura lenta e gradual do regime. Nos acompanhe nesta história e entenda a importância de lutarmos pela democracia plena no Brasil.

Ah! Escute até o final e delicie-se com a nossa nova atração: “Recordar é Viver“, na qual contaremos sempre com a contribuição do Mestre Willian Spengler.


Padrim

Ajude nosso projeto crescer cada vez mais. Seja nosso Madrinha ou Padrinho.

www.padrim.com.br/fronteirasnotempo


Ouça os episódios 1 e 2 dessa trilogia

Fronteiras no Tempo #21: Golpe de 1964

Fronteiras no Tempo #22: Ditadura Civil-Militar


Portal Deviante

Conheça nossa nova casa – clique na imagem


Redes Sociais

Twitter, Facebook, Youtube, Google+

Contato

WhatsApp: 13 99204-0533

E-mail: fronteirasnotempo@gmail.com

 


Expediente

Produção Geral e Hosts: C. A e Beraba, Vitrine: Augusto Carvalho, Edição: Talk’nCast

 


Mencionado no Episódio e Material Complementar

Documentários

Cidadão Boilesen

Brasil: a report on torture

Canção

Pra não dizer que não falei das flores

Filmes

Lamarca (1994)

O que é isso companheiro? (1997)

Batismo de Sangue (2006)

Zuzu Angel (2006)

O ano em que meus pais saíram de férias (2006)

Documentos

Relatórios de Pesquisa da Comissão Nacional da Verdade

Relatório Figueiredo

Livros e artigos

ALMEIDA, Maria Hermínia Tavares de; WEIS, Luiz. Carro Zero e pau-de-arara: o cotidiano da oposição de classe media ao regime militar. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz (org.) História da Vida Privada no Brasil v.4. São Paulo: Cia das Letras, 1998, p.319-409.

BRASIL. Secretaria Especial dos Direitos Humanos. Comissão Especial sobre Mortos e desaparecidos Políticos. Direito à verdade e à memória: Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Brasília : Secretaria Especial dos Direitos Humanos, 2007.

COUTINHO, Luciano. Coréia do Sul e Brasil: paralelos, sucessos e desastres. In: FIORI, José Luís (org). Estados e moedas no desenvolvimento das nações. 2.ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

GASPARI, H. A ditadura escancarada. São Paulo: Cia das Letras, 2002.

GOMES, Angela de Castro (org.). O Brasil de JK. 2.ed. Rio de Janeiro: FGV, 1991.

MELLO, João Manuel Cardoso de; NOVAIS, Antonio. Capitalismo tardio e sociabilidade moderna. In: SCHWARCZ, Lilia Moritz (org.) História da Vida Privada no Brasil v.4. São Paulo: Cia das Letras, 1998, p.559-658.

SCHWARCZ, L. STARLING, H. Brasil: uma biografia. São Paulo: Cia das Letras, 2015.

SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. Crise da ditadura militar e o processo de abertua política no Brasil, 1974-1985. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. O Brasil republicano, v. 4. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009, p.243-280.

PRADO, Luiz Carlos Delorme; EARP, Fábio Sá. O “milagre” brasileiro: crescimento acelerado, integração internacional e concentração de renda (1967-1973). In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. O Brasil republicano, v. 4. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

VALLE, Maria Ribeiro do (org.). 1964-2014: Golpe Militar, História, Memória e Direitos Humanos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014.

  • manoelpaulo

    Podcast maravilhoso, é o primeiro que ouço. Fico triste quando algumas pessoas tentam minimizar a ditadura. Alguns chegam ao ponto de dizer que o fato de você não ser proibido de sair do país, então não era uma ditadura. Mas as famílias que perderam seus familiares. Quem foi torturado e sofreu censura sabem muito bem o que era aquele período.

  • Leonardo Lisbôa Knüppe
    • Cesar Agenor

      Leonardo,

      De fato! Itaipu é Binacional. Comentemos um pequeno erro de percurso.
      Valeu pelo toque.
      Grande abraço

      C. A.